eliane-site.jpg
ACADÊMICA CORRESPONDENTE 2018
               CADEIRA 145

Eliane Tonello

Eliane Tonello, descendente de Italianos, nasceu em Rondinha-Serra e reside em Porto Alegre desde 1997 (RS/Brasil). Psicóloga Clínica com Pós-graduação em Psicologia Hospitalar e Especialista em Psicoterapia de Adulto e Adulto Maduro – Orientação Psicanalítica, escritora, poeta, quintanista, artesã e compositora. É autora dos livros “Tecendo a Sanidade: o caso Arthur Bispo do Rosário” (ensaio 2017) recebeu o Prêmio em Homenagem à Escritora Carolina Maria de Jesus -Melhor Ensaio; e "Encontro nas Estações", (poesias – 2018), e “A Espiral de Gerações” (Romance 2019) e recebeu as premiações: Prêmio Clarice Lispector como Melhor Romance 2020 e Prêmio Milton Pantaleão de Literatura Independente 2020, e “Layla e a Uva” (obra quadrilíngue infantojuvenil em um só livro - 2020).

Detém os seguintes prêmios pelo conjunto da obra: Prêmio Juan Sebastian Kern pelo Melhor Trabalho em Psicanálise 2016 intitulado “Existe alguma relação entre alexitimia e câncer de mama?”;  Troféu Carlos Drummond de Andrade e Mário Quintana em Itabira-MG; Prêmio Victoria em Montevidéu/Uruguai; Destaque Literário  Novo autor (2016); Destaque Cultural na Poemas da Associação Poemas a Flor da Pele e  da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil (2017); Prêmio Sem Fronteiras Pelo Mundo Categoria Literatura (2017); Excelência Cultural 2018;  Prêmio Autor Leitor Lusobrasileiro - Membro Honorário da Comunidade Lusobrasileira do Rio grande do Sul (2018) ) e Comenda Beija Flor - Escritor Graça Aranha (2018).  Recebeu homenagem e placa do Poder Público Municipal de Rondinha (2018) e, Medalha Mérito Cultural 2020 (poeta quintanista). Participação como co-autora de mais de 30 antologias lusófonas com contos e poesias premiadas no Brasil, Lisboa e Genebra, e traduzidas para Braile, Inglês, Espanhol e Francês e, diversos artigos publicados. É Membro da Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul (cadeira 14 - Patronesse Marina Noronha); Imortal na Academia de Letras do Brasil (cadeira nº 34 - Patrono Arthur Bispo do Rosário); Academia de Artes, Ciências e Letras Castro Alves (cadeira nº 36 – Patronesse Cheila Stumpf); Academia de Letras dos Municípios (Rondinha RS/Brasil – Patrono Eugênio Medicheschi), Membro Correspondente da Academia Internacional de Letras, Artes e Ciências – ALPAS 21 (cadeira nº 144), Membro Efetivo da Academia de Artes Literárias e Culturais do Estado do Rio Grande do Sul (cadeira nº 39 – Patronesse Delfina Benigna da Cunha) e Membro da Academia de Letras da América Latina Patrono Gabriel Garcia Márquez.

Foi Vice-Presidente da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul (2018-2020) e da AJEB-Nacional. É Presidente da AJEB - Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil - Coordenadoria RS e Coordenadora da Coletânea Palavras; Voluntária e Embaixadora no Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (IMAMA), Embaixadora da Paz e do Meio Ambiente.

 

 

 

Sinopse das obras publicadas

 

Tecendo a Sanidade: o caso Arthur Bispo do Rosário (2016)– Nas páginas sobre Bispo do Rosário, Eliane apresenta a pesquisa que realizou sobre este artista plástico brasileiro, em estudo complexo sobre a convergência entre a condição psiquiátrica e a expressão artística de Bispo. Ao visitar a exposição Poesia a Fio (2012) ela não teve dúvida sobre qual seria o tema de sua pesquisa. “Ao entrar na sala, vi ao longe, as obras, e senti algo diferente dentro do meu corpo e dos meus pensamentos. Parecia ter sido atravessada por algo muito significativo, momento de profunda conexão com a mensagem do artista em suas obras. Naquele momento, percebi que este era o caso propício para o meu trabalho”, conta a autora. Para elaborar o estudo, a psicóloga fez uma análise a partir do método fenomenológico-existencial para apresentar aos leitores de que maneira o artista plástico viveu, entre idas e vindas, até os 80 anos, dentro de uma cela manicomial do século XX, utilizando a arte em prol de sua saúde. A escritora também fez desenhos, a partir da percepção da obra do artista, que estão publicados na segunda parte do livro. Além destes elementos, há duas narrativas autobiográficas que a autora conta, com sensibilidade e criatividade, a sua jornada de aproximação com as obras, os desafios e os estímulos durante o processo. “A experiência profissional de Eliane Tonello, como psicóloga, acrescenta ao livro a interface entre arte e saúde, propiciando que tenhamos acesso à produção do artista e ao entendimento dos caminhos que ele trilhou”, analisa Betina Mariante Cardoso, fundadora e editora da Luminara Editorial. Tecendo a Sanidade conta, também, com o posfácio de Paulo Amaral, diretor do MARGS, sobre o artista Arthur Bispo do Rosário. Recebeu o Prêmio em homenagem a escritora Carolina Maria de Jesus.

 

 

Encontro nas Estações (2018) – Um livro herda do autor as carências de vida, e se faz sozinho dentro de cada ser. A imaginação expressa, consciente ou inconsciente, a comunhão das forças individuais e coletivas. As estações têm vozes transitórias, apagam-se diante das sucessões. Aqui, as abstrações saltam de fora da pele em um redemoinho de improvisos e associações vibrantes. A fusão de estilos ordena algo do caos que busca existência e surge de recursos secretos. Não temos respostas, apenas especulações, densidade, espaço e sementes, afirma Paulo Monteiro Ferraz, psicólogo, escritor e professor de oficina literária,  que prefacia a obra. E complementa o escritor Luiz Poeta carioca “Costumo dizer que não sigo rastros.... colho sementes. Repentinamente um “guarda-chuva” se abre ante meus olhos embevecidos...Pignatari me vem à mente, mas quem me cumprimenta e protege o meu embevecimento é o diagrâmico desenho concretista de Eliane Tonello! Laminskyo-me, drummondeio, quintaneio! Elianetonelleio...e leio! Criei o intransitivo Elianetonellar!

A Espiral de Gerações (2019) - Johann, o nômade dos ventres, agora tem um corpo de palavras. A mescla de histórias reais e ficcionais inicia na Itália e termina no interior do Rio Grande do Sul é apresentada pela autora de forma bastante sensível, justamente com seus desenhos à carvão vegetal. Do início ao fim as emoções são provocadas e permanecem à flor da pele ao retratar memórias e segredos que percorrem gerações. Para Maria Helena Martins, “Não diria que em cada frase há uma surpresa. Mas poucas estão livres de dar uma sacudida no leitor, que volta atrás, buscando na releitura um fio que não se perdeu, mas um sentido a mais para o que acaba de ler”. Recebeu os prêmios: Clarice Lispector e Milton Pantaleão de Literatura Independente 2020.

Layla e a Uva (2020) - Layla é uma menina que mora na cidade e escolhe passar as férias no campo para realizar um sonho. Obra infantojuvenil quadrilíngue - quatro idiomas em um só livro (Português, Italiano, Espanhol e Inglês) que levará o leitor e seus familiares a mergulhar em diferentes mundos imaginários e criativos. Lançado durante a pandemia em 2020.

Contato


eliane.tonelo@gmail.com

(51) 999965448

Notas Drummondianas

 

Na tua morada

observa-se fotos amareladas 

penduradas na parede

sentado em tua cadeira em V

comparas a colina de pedras

riqueza que continua indo embora

natureza perde beleza

pedras, pedras no caminho

 

No jardim dos fundos

taipas de pedras 

ainda abrigam lagartixas

no jardim interno

roseiras florescem

borboletas copulam tranquilas

em tua casa decorada

Drummond, tua lembrança-ausência

ao longe pedras-ferro

Publicado em Almanaque ZH 29-01-2021

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram